domingo, 7 de agosto de 2011

Filme Assalto Ao Banco Central




Nesse final de semana fui ao cinema assistir ao filme "Assalto Ao Banco Central". Como cheguei cedo, fiquem horas na fila esperando a próxima seção. E eu não era a única, pois a fila estava dando voltas. Foi quando o "porteiro" do cinema apareceu e disse: Quem for assistir ao "Capitão América" pode entrar e quem for assistir ao "Assalto Ao Banco Central" aguarde na fila ao lado. Gente acredite, umas multidões de pessoas entraram para assistir o “Capitão América” e poucas pessoas ficaram para assistir o "Assalto Ao Banco Central". Eu ainda comentei com uma pessoa que estava na fila que agente pelo menos ainda acreditava no cinema brasileiro. Ela riu e concordou... Mas tudo bem, afinal o filme já conseguiu um bom número de espectadores.

Vamos ao filme! O filme é decepcionante. É ruim. O roteiro é lamentável, trilha sonora duvidosa, direção questionável e o mais impressionante é a má qualidade de interpretação de alguns atores ( não vou entrar em detalhes para não estender o assunto que me exigiria uma noção técnica). Eu já dei exemplos de filmes aqui no blog que o roteiro não era bom, mas o que o salvou foi a interpretação dos atores. O roteiro não explicou perfeitamente a característica de cada personagem e sua função especial que deveria enriquecer a história, que é real. Histórias Reais são contadas com uma base mais sólida do que as de ficção, mas o roteiro do filme aparentou desorientação tanto com a descrição de personagens quanto a utilidade de cenas. Falando em cenas, o filme mostrou algumas desnecessárias e apelativas, tanto que houve cenas censuradas. Imagine se não tivesse? rsrsrsrs.
Agora o fim do filme, foi frustrante... Frustrante não! Foi um tédio! Quem nunca assistiu ao um filme que no final o mal (Barão) aparece disfarçado perto dos bons (policia) e sai do local andando tranquilamente e impune? Foi esse o final. Preciso dizer mais alguma coisa?

É como eu disse: eu ainda acredito no cinema brasileiro!

beijos, até.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Explosões de bueiros no Rio

Olha a imagem que eu recebi por email hoje que se intitulava "o novo filme do mercado brasileiro":



Só brincando é possível criticar e cobrar um providência. Apesar do caso ser sério...viva o bom humor!

beijos,
até.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Cuidado! Olha por onde anda!



Inexplicável, ou melhor, mal explicado essas constantes explosões de bueiros no Rio de Janeiro. Parece uma piada da Light que brinca com a vida de diversas pessoas, deixando-nos a mercê da própria sorte. E o pior é que até agora não houve nenhuma explicação racional que possa justificar tais explosões, nem ao menos uma dica de como nos proteger... É simplesmente apelar pros céus para que nada aconteça. Se não bastasse a violência cotidiana das grandes cidades, agora agente tem que andar receosos olhando para os bueiros.
Indignada com essa situação... Descaso total!

obs: enquanto eu escrevia no blog sobre o caso fiquei sabendo pela Internet de novas duas explosões...brincadeira...

Beijos e até.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Não seria a hora de dizer chega? ( uma critica ao filme as mães de Chico Xavier)

Já não é de hoje que, eu venho afirmando aqui no blog, incluindo o antigo, por diversas vezes sobre o esgotamento dos filmes brasileiros.
Pelo mundo da internet, entre sites, blogs de cinema as pessoas tem se manifestados dizendo que o cinema brasileiro evoluiu. De fato eu concordo, ao depararmos com filmes como "Tropa de Elite", que apesar do tema "policia e bandido" ser saturado por aqui, esse filme inegavelmente trouxe uma novidade, até então desconhecida pelas produtoras cinematográficas brasileiras: o gênero ação. Mas só até esse ponto. Daí pra frente os filmes brasileiros têm se decaído bastante, conotando a verdadeira falta de tema, de história e de originariedade.
Critico não como uma especialista, que tem conhecimentos técnicos, entre outras noções. Critico como uma parte de um público que acredita no potencial brasileiro de fazer cinema. Afinal os filmes não são feitos pra gente ( o público)? Então fazendo uso desse direito, como não criticar os filmes feitos com temas em série sobre espiritualidade, ligados direta ou indiretamente a trajetória do médium Chico Xavier?
Dentre os filmes lançados eu assisti "Nosso Lar" e "Chico Xavier". E em Abril estréia o filme "As Mães de Chico Xavier".
Deixando a religião de lado, e não levando em conta a divulgação do trabalho de um dos médiuns mais conhecido do Brasil, e tendo a visão do cinema como uma indústria, esses filmes tem me deixado descrente com o cinema brasileiro. As produtoras me parecem estar preocupadas em ganhar público através de uma curiosidade dos mesmos, mas que, mas que depois de exaustivos lançamentos de filmes sobre o tema, já não deixa ninguém curioso. Além do que esses filmes têm obviamente fortes traços religiosos, ficando assim difícil de convencer e comover a todos os públicos. Diferentemente, por exemplo, do filme Ghost- Do Outro Lado Da Vida, que comoveu até os que não acreditavam em espiritualidade. Quero lembrar que eu me considero espírita, por isso minha critica não tem nada haver com preconceito religioso. Eu consegui assistir aos filmes com total liberdade de pensamento.
Resumindo, para mim cura de tantos problemas que envolvem essa questão é investir em escritores- ou roteiristas - bons escritores, com histórias originais. As produtoras deveriam estar abertas a receber esse público de escritores/roteiristas, que no Brasil deve ter diversos escondidos por aí. É necessário que nenhuma produtora esteja pressa a nomes, pois o que dirá se o filme será ou não de sucesso, não é por quem ele foi produzido ou dirigido, e sim a história original, pela sinopse convincente. O que eu quero dizer é que temos bons produtores e diretores atualmente trabalhando, mas que parece não ser o suficiente para cumprir um ciclo anual de grandes estréias. E cá entre nós, não somos Hollywood para manter as oportunidades tão fechadas e pra poucos.
Expandir as oportunidades, aumentar contratações e não deixar que o roteirista trabalhe por si na esperança de que alguém veja em algum dia o seu trabalho. Expandir oportunidades significa que a produtora de veria estar apta a receber roteiros originais e conseqüentemente se o roteiro for bom contratar o roteirista nem que seja por um curto período, o período de produção. Por que o Brasil é um país de talentos. Por isso é inexplicável o cinema estar desse jeito.


domingo, 16 de janeiro de 2011

Solidariedade


 Solidariedade, é a palavra chave nesse momento e que pode amenizar os estragos ocorridos na região serrana do Rio de Janeiro. No link você saberá melhor como ajudar os desabrigados da chuva. É importante lembrar que há uma grande necessidade de produtos de higiene, que estão deixando passar despercebido  aquilo que é primordial; além é claro dos alimentos e de água.
Os cariocas e os brasileiros são bastante solidário. Vamos todos fazer a sua parte dentro da medida do possível de cada um.

beijos,
até.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Paralamas no Rock In Rio!!!??

Gente, eu sei que eu desapareci, mas aqui estou eu de volta. Coloquei o vídeo dos meus queridos Paralamas do Sucesso cantando "seguindo estrelas"; gostaria que nesse ano eles fossem umas das atrações do rock in rio. Principalmente por que esse ano marca a volta do evento a sua casa... e eles sabem fazer rock bem, diferente do que agente anda vendo por aí, não é mesmo?



beijos.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Adorável Vagabundo

 Assisti ao filme Adorável Vagabundo, e sinceramente mesmo sendo de Frank Capra, não me surpreendeu o final e apesar de um desenrolar agradável, o contexto da história não é nada extraordinário. Os filmes antigos tem essa característica de investi num bom roteiro e esse filme tem um bom roteiro; mas ficou uma pendência.
  E quem preencheu esse vazio? Barbara Stanwyck! Ela foi uma ótima atriz, com aquele jeito dramático de interpretar ela deu brilho a história. Por causa dela o filme merece ser visto.
 E tem outro filme com ela que pra mim é incontestável: As três noites de Eva. Nesse filme ela foi um complemento, pois a história já era boa e com ela ficou melhor.
 Fica aí a dica dos filmes: Adorável Vagabundo e As Três Noites De Eva, os dois estrelado por Barbara Stanwyck.

Ultima cena do Filme Adorável Vagabundo com  Barbara Stanwyck.

obs: se você for assisti ao vídeo repara quando Barbara entra em cena, fazendo aquele drama que só ela sabe fazer.

Beijos,
até

sábado, 16 de outubro de 2010

Backstreet Boys em Hollywood

Ontem eu vi no Tele cine uma nova vinheta e a achei criativa; são os cinco cineastas, produtores, em fim, os que fizeram e ainda fazem cinema de maneira mais influentes dos últimos tempos, imitando os Backstreet Boys em uma imagem 3D: Steven Spielberg, Woody Allen, Martin Scorsese, Quentin Tarantino, e Alfred Hitchcock.
Cada um com a sua característica, Spielberg de boné do filme ET, Hitchcock de lado, como ele costumava tirar fotos, etc... (por que os outros eu não conheço muito bem)

Ficou bonitinho... assistam o vídeo carrega rápido.
 beijos, até.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Eleitores valiosos

Com o fim do primeiro turno das eleições presidências, ficou evidente a participação relevante de Marina Silva. Enquanto eu acompanhava os resultados parciais dos votos na tv, uma jornalista comentou que, os votos dos eleitores da candidata do partido verde serão decisivos para decidir o novo ou a nova presidente; ainda ela ressaltou a duvida sobre o que se "passa na cabeça" desses eleitores: seriam eles decepcionados com o PT e os últimos escândalos? Ou em busca de uma novidade contra os partidos óbvios PT e PSDB?

Agora, o PT e o PSDB, lutam por uma aliança com Marina. Marina Silva se aliando ou não com um ou com outro, na minha opinião não influenciará no critério de escolha de seus eleitores. Pois quem votou numa ambientalista, acreditando numa grande reforma,contrariando o pensamento de uma grande maioria, não irá mudar seu voto do nada.

Beijos,
até.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Tudo Muda

Entra ano, saí ano e agente tende a mudar com eles; é um percurso natural da vida. Pois é gente, o meu antigo blog chegou ao fim.
Eu já estava querendo fazer algo diferente, e o "Em contrapartida" vai preencher um novo momento, pois a ideia dele é não limitar os assuntos. "Em contrapartida" é agregação de ideias, na busca de um ponto em comum. Eu quero poder falar de tudo, juntar arte com politica, critica com um pensamento, bobagens, vida... tudo num mesmo espaço.

Obrigado pela compreensão,
beijos e até...

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Os fins de Machado de Assis


Ontem terminei de ler o livro "Memórias Póstumas De Brás Cubas" de Machado de Assis. Quando estava chegando ao final criou-se em mim uma expectativa óbvia, visto que eu já havia lido "Dom Casmurro", do mesmo autor e ficado surpreendida com o seu último capitulo, em que ironizou a morte de Capitu.
No final do livro minha expectativa foi preenchida. Talvez esses finais dos livros de Machado se deva ao fato dele ser do período Realismo. Mas o que importa mesmo é que essa capacidade de finalizar com audácia um livro é única e somente dele.
Abaixo transcrevi a frase que finaliza o livro "Memórias Póstumas De Brás Cubas" e que mais me chamou a atenção:

"...Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e conseguintemente que saí quite com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas:- Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria."

Beijos até.